Quem comanda a Manutenção: os Equipamentos ou a Estratégia?

Quem comanda a Manutenção: os Equipamentos ou a Estratégia?

Podemos iniciar com a seguinte pergunta: A Manutenção de sua empresa é refém das máquinas e equipamentos?

Se a resposta for SIM, tenha em mente que a inteligência humana não pode se tornar um mero acessório da inteligência tecnológica.

Então, é essencial ter uma estratégia de manutenção detalhada de forma simples, clara e objetiva, contendo o que se pretende realizar para agregar valor ao negócio, eliminar os desperdícios e desenvolver as pessoas.

Só para lembrar, a estratégia:

Aborda a construção colaborativa e a compreensão do propósito da manutenção, onde os membros da equipe são capazes de “ver” o que se pretende alcançar.
Tem um direcionamento do que se deve fazer para chegar lá e os recursos necessários para fazer o que deve ser feito, isso, é fundamental para manter uma equipe engajada e mobilizada.

Assim, podemos afirmar, os gestores que possuem uma estratégia de manutenção alinhada com as diretrizes de Mantenabilidade (agilizar a intervenção), Confiabilidade (não falhar) e Proatividade (melhoria contínua) não ficam à mercê de falhas e quebras impostas pelas máquinas e equipamentos.

Destaca-se que a maneira de manter o aparato produtivo confiável e disponível, bem como, a atitude do pessoal ligado a manutenção mudou. De acordo, com Alan Kardec e Júlio Nascif (1999) “A atividade de manutenção precisa deixar de ser apenas eficiente para se tornar eficaz,  ou seja, não basta, apenas reparar o equipamento ou instalação tão rápido quanto possível, mas principalmente, é preciso manter a função do equipamento disponível para a operação, evitar a falha do equipamento e reduzir os riscos de uma parada de produção não planejada.”

Certamente, a compreensão de que a manutenção é uma função estratégica e um diferencial competitivo para as organizações, já vem se consolidando nas últimas décadas, sinal disso é que as pessoas que compõe a Manutenção estão cada vez mais investindo em capacitação e aperfeiçoamento, tanto à nível técnico como de gestão.

Outros aspectos imprescindíveis para a construção da estratégia de manutenção são:

Comprometimento para cumprir o propósito

Mindset de crescimento para potencializar a estratégia

Autonomia com responsabilidade

Mais Confiança e menos Controle

Infraestrutura adequada e otimização de recursos

Excelência para satisfação dos clientes

 

Portanto, quando existe um propósito na manutenção conectado a garantia da disponibilidade e confiabilidade dos ativos, deixando claro o impacto dos resultados da Manutenção para a sustentabilidade do negócio, grande parte dos gestores e equipe técnico da manutenção percebem que suas atribuições vão muito além de “consertar” ou “prevenir” falhas ou quebras.

 

 

Dica Gênesis para o Gestor:

  • Realizar o que se propôs a fazer, ser coerente em suas atitudes, comportamentos e palavras para alcançar o que pretende ser;
  • Enxergar os problemas como oportunidades de praticar a melhoria contínua visando chegar onde quer chegar;
  • Tomar decisões assertivas baseando-se em informações confiáveis, possuindo capacidade e consciência de responder por suas ações;
  • Acreditar na equipe e otimizar as métricas;
  • Agregar valor as partes interessadas e entregar serviços de alto valor agregado;
  • Garantir suporte para o funcionamento da estrutura instalada e os recursos necessários.